Relembrar a compostagem

Parte II

Na primeira parte deste artigo, que pode ler aqui, decidimos relembrar o que é a compostagem e como se decorre todo o processo.

Acompanhe agora o passo a passo que lhe explica como depositar corretamente os resíduos no compostor e garantir que a compostagem decorre nas condições mais favoráveis:

  1. Cortar os resíduos verdes e castanhos em pedaços pequenos. Se estes tiverem dimensões demasiado grandes o processo de compostagem tornar-se-á muito mais lento.
  1. No fundo do compostor começar por colocar alguns ramos grossos, dispostos de forma aleatória, com vista a permitir o arejamento, a drenagem de líquidos e evitar a compactação dos materiais colocados.
  1. Adicionar uma camada de resíduos castanhos por cima dos ramos colocados no passo anterior. Neste momento deve também ser adicionada uma “mão cheia” de terra (nunca mais que isso), que ajudará a que o processo da compostagem se inicie mais rápido.
  1. Por cima da terra, adicionar uma camada de resíduos verdes e voltar a cobrir com outra de castanhos. Repetir o processo pela mesma ordem até que o compostor fique cheio.

Nota: a camada superior deverá sempre ser de resíduos castanhos, de forma a reduzir os odores e assim evitar o aparecimento de pragas indesejadas como insetos ou roedores.

E quais são os cuidados de manutenção a ter?

Deve visitar o compostor com alguma regularidade para proceder à verificação de alguns fatores importantes, que são:

  • O nível de humidade (através do teste da esponja: pegar num pouco do conteúdo do compostor com a mão e apertar como se fosse uma esponja. Se pingar significa que o conteúdo está demasiado húmido e devem ser adicionados mais castanhos. Se a mão ficar seca, é necessário adicionar mais resíduos verdes, um pouco de água e remexer todo o conteúdo. O ideal é que se fique com a mão húmida, mas sem escorrer);
  • O oxigénio (através do remexer do conteúdo para arejar, o que deve ser feito com frequência de forma a evitar o aparecimento de maus cheiros e mosquitos);
  • A temperatura (com recurso ao teste da barra de ferro: inserir uma barra de ferro durante uns minutos dentro do compostor e, após retirada, agarrar com a mão. Se estiver quente, mas não ao ponto de queimar, está na temperatura desejada. Se estiver demasiado quente, deverá remexer o conteúdo).

Por fim, após alguns meses desde o início do processo, todos os resíduos se terão transformado em composto, com aspeto de terra e sem a presença de odores. O tempo que o composto demora a ficar pronto depende de uma manutenção regular e que respeite as condições ideais à compostagem.

Composto pronto

Foto por Freepik.